Feiras livres permitem que agricultor familiar coloque seus produtos no mercado a preços justos, afirma profissional da Emater

Assunto foi tema de live transmitido pelo Emater ao Vivo, programa semanal de webnários disponível no canal da Agência no YouTube

Uma das grandes dificuldades enfrentadas pela agricultura familiar é a comercialização, etapa que é majoritariamente viabilizada pela realização de feiras livres. O assunto foi discutido na live transmitida pela Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), na tarde desta quarta-feira (24), no canal da instituição no YouTube

A extensionista social da Emater, Ana Maria de Brito Mendes, explicou durante a palestra que as feiras provocam impactos econômicos e sociais importantes para o segmento rural familiar. Segundo ela, esses espaços possibilitam que os agricultores familiares vendam seus produtos diretamente ao público consumidor, mitigando a interferência de atravessadores que possam prejudicar o lucro daquela produção.

“A relação que passa a existir entre o vendedor e o comprador porque o cliente sabe de quem está comprando aquele alimento. Para o produtor isso é importante, saber quem é e qual a característica de seu cliente. Essa venda direta aumenta a renda e melhora o escoamento da produção”, destacou a extensionista.

Além de ser um canal de comercialização, a feira tem o papel fundamental de fomento à cooperatividade entre os agricultores, os consumidores e o poder público. Ainda de acordo com Ana Maria, isso fortalece o comércio local, controla o êxodo rural, favorece a sucessão familiar e estimula o turismo no município.

Para assegurar a continuidade das feiras, conforme a profissional, é necessário o estabelecimento de regulamento ou regimento interno, com regras específicas para cada caso. A organização dos agricultores familiares e o apoio da Administração Municipal também são essenciais, com a articulação ordenada entre os produtores rurais e a instituição por lei da matéria que regulamenta o funcionamento da feira.

Experiência em Goianésia

A extensionista apresentou detalhes sobre a experiência da Feira do Produtor Rural de Goianésia, que começou a operar no ano de 1996, com a participação de apenas cinco produtores. Em poucos meses, a feira atingiu a marca de 80 agricultores familiares cadastrados. Atualmente, 250 famílias rurais comercializam semanalmente seus produtos no espaço.

Um dos pontos principais para o sucesso é o arranjo de uma equipe responsável pela administração da feira, a Central de Associações dos Pequenos Produtores de Goianésia (Ceaprug). Para comercializar os produtos no local, o agricultor interessado deve formalmente se registrar junto à central. A feira é ainda regulamentada por lei e regimento interno.

Confira a live na íntegra